logop33.gif (2108 bytes)

infoan.gif (53664 bytes)

drogas.gif (6090 bytes)

barra.gif (2199 bytes)

Como surgiu o INFOdrogas

O INFOdrogas é a versão atualizada, na Internet, do antigo serviço Disque-Drogas Eletrônico (DDE).

O Disque-Drogas Eletrônico foi implantado em 21 de janeiro de 1994 no BBS IMESC do Multi BBS Canal Vip onde, em 1º de março de 1994, foi disponibilizado para o público.

Em outubro do mesmo ano seu funcionamento estendeu-se para a Internet com a denominação de INFOdrogas, permanecendo no ar até meados de 1995 para retornar, em 13 de maio de 1999, como parte integrante da Home Page do IMESC.

A proposta de se desenvolver um serviço de informações sobre drogas, por computador, surgiu em decorrência das atribuições designadas ao IMESC pelo Programa Permanente de Prevenção ao Uso Indevido de Drogas. A isto, acrescentou-se a necessidade urgente de organizar, com fundamentação científica, as vertentes derivadas do tema de forma contextualizada, sistematizada e acessível à população.

Tal necessidade decorreu em virtude das lacunas observadas no tratamento e na veiculação do tema pelos meios de comunicação bem como da importância de um espaço que permitisse a interlocução entre o público e os profissionais que trabalham nesta área do saber.

Caracterizou-se por ser uma modalidade inédita de abordagem do tema, em função de disponibilizar uma grande margem de dados on line com os seguintes objetivos:

Idealizado para promover reflexões no sentido de desmistificar o assunto e contribuir com a prevenção ao uso indevido de drogas, o servidor de internet, no qual as informações foram armazenadas pela primeira vez, foi denominado “ariadne.imesc.br”. Assim estava simbolizada a função* do Disque-Drogas Eletrônico/INFOdrogas, a saber, ser uma linha condutora para uma compreensão mais “consciente” sobre a questão das drogas.

*Inspirada no Mito de Teseu, em que Ariadne lhe entrega um novelo de fios para que não se perca no labirinto quando for enfrentar o Minotauro.

Anteriormente ao Disque-Drogas Eletrônico e ao INFOdrogas, o IMESC já oferecia um serviço de informação sobre o tema drogas. Implantado em 02 de maio de 1988, o Disque-Drogas Telefônico funcionava com mensagens gravadas através do Disque 200 da TELESP (serviço desativado a partir de 01/02/1997).

Sua implantação decorreu da necessidade de haver um serviço de informação telefônica sobre a questão.

Inicialmente, as mensagens destinavam-se aos dependentes e tinham por objetivos a prevenção do uso de drogas e o encaminhamento dos mesmos para um outro serviço telefônico que, atendido diretamente por voluntários, visava dar aconselhamento e fazer encaminhamento aos Toxicômanos Anônimos (TA) ou ao Centro de Recuperação Humana (CRH), ambas entidades gratuitas.

Na época da implantação do Disque-Drogas Telefônico, as mensagens eram permeadas por um teor emocional alarmista.

A partir de meados de 1991, o Disque-Drogas Telefônico teve como objetivo informar e orientar a população em geral sobre a questão do uso e abuso de drogas, bem como indicar instituições gratuitas, da área da saúde, especializadas no atendimento e tratamento de usuários de drogas e seus familiares.

O conteúdo das mensagens abordava os vários aspectos que envolvem o tema, ou seja, questões referentes ao indivíduo, à substância e ao âmbito social, procurando transmitir segurança e encorajamento na busca de auxílio a partir do esclarecimento global da questão, sem sensacionalismos.

No final de todas as mensagens era fornecida a referência de local apropriado para o atendimento de casos de overdose.

Reconhecidas as limitações de um serviço que opera com mensagens gravadas, foi colocada uma Caixa Postal à disposição das pessoas que se utilizavam do Disque-Drogas Telefônico.

O objetivo da Caixa Postal era permitir um contato mais pessoal e direto com os profissionais do IMESC. Ou seja, quem desejasse expor e esclarecer situações mais específicas sobre o assunto, as quais as mensagens não eram capazes de suprir, poderia enviar correspondência.

O Disque-Drogas Telefônico funcionava 24 horas por dia, inclusive finais de semana e feriados.

Inicialmente as mensagens (10 por mês) eram trocadas a cada três dias. Posteriormente, passaram a ser trocadas diariamente. Tinham duração máxima de 54 segundos e a pessoa que ligava para o serviço pagava o equivalente a um impulso telefônico. Caso a ligação fosse efetuada em telefone público, era necessária a utilização de uma ficha.

Estudos e projetos realizados sobre o Disque-Drogas Telefônico e Eletrônico:

Algumas considerações sobre o Disque-Drogas Telefônico e sua representação na comunidade - mar/1993 (Trabalho apresentado no X Congresso Brasileiro de Estudos sobre o álcool e outras drogas – ABEAD, Curitiba-PR, abr/1993 – sessão temas livres)

Projeto SOS Drogas - julho/1993

Algumas hipóteses preliminares sobre a avaliação do Disque-Drogas - 1994

DDE: uma ferramenta preventiva - 1994

Disque-Drogas Telefônico: uma necessidade (jul/1994).

Avaliação sistemática do Disque-Drogas Eletrônico (jul/1994)
Perfil dos usuários do Disque-Drogas Eletrônico (nov/1995)

Projeto de reestruturação: Disque-Drogas Telefônico - uma ferramenta preventiva (dez/1995)

Projeto: Banco de dados sobre o perfil epidemiológico dos usuários de drogas ilícitas institucionalizados no Estado de São Paulo e produção científica brasileira sobre tratamento (jun/1996)

© IMESC / INFOdrogas 1999-2012. Todos os direitos reservados

barra.gif (2199 bytes)

Página atualizada em 28/03/2012